Visita orientada à Fundação Instituto

Arquitecto José Marques da Silva
 
 
10 de Março (Sábado), 15h30
 
   

98 marques silva 

 

 

José Marques da Silva (1869-1947)
Dizer que José Marques da Silva foi o arquitecto que moldou a fisionomia do Porto no início do século XX significa que, para compreender a sua figura, devemos procurar identificar não apenas a sua obra construída mas também o peso dos seus argumentos e ideias na cultura da cidade.
A sua primeira obra de grande significado urbano foi a Estação de São Bento (1896-1916). 

Assim, inicia a página biográfica do Arquiteto José Marques da Silva no site da Fundação com o seu nome.

A restante Vida e Obra - riquíssimas! - ficaremos a saber depois desta visita, que se reveste de um carácter muito especial: será a um SÁBADO (a Fundação só abre portas de 2ª a 6ª) e acolherá a AMAI excecionalmente.

 

Ponto de Encontro: Entrada da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva, Praça Marquês de Pombal, Nº30-44, às 15h15

Duração: cc. 1h30
Associados AMAI: 5€
Não Associados: 7,5€
 
 
Inscrições até 08 de Março 
A inscrição será considerada após confirmação por parte da AMAI para  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar." style="color: #41a8d3;">Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
 
Os associados terão prioridade; depois é seguida a ordem de inscrição.
 

NOTA: alertam-se as pessoas com dificuldade de locomoção que, o percurso inclui escadarias sem outro tipo de acessibilidades alternativas.

Outras informações: Tel. 91 7579740

 

 

Sobre José Marques da Silva...
 

Matricula-se na Academia Portuense de Belas Artes, em 1882, onde será aluno do Arquitecto Silva Sardinha, do Escultor Soares dos Reis e do Pintor Marques de Oliveira.
É em Arquitectura que conclui o curso, após o que parte para Paris, preparando o concurso de admissão à Escola Nacional e Especial das Belas Artes de Paris, onde é admitido em 1890.
Frequenta, então, o Atelier de Victor Laloux (futuro arquitecto da Gare d'Orsay) e convive num círculo de amigos de que fazem parte, entre outros, Teixeira Lopes, Ventura Terra, Veloso Salgado e António Nobre.
Obtém, em 1896, o titulo de Arquitecto Diplomado pelo Governo Francês, tendo apresentado como prova final o Projecto de uma Gare Central, exercitando, deste modo, o tema da Estação Central do Porto que, então, preocupava a cidade, quando o comboio chegava à cerca do Convento da Avé-Maria.

Ainda em Paris participará nos concursos do Monumento a Afonso de Albuquerque e da conclusão das Obras do Mosteiro dos Jerónimos, ambos em Lisboa, no do Monumento ao Infante D. Henrique, no Porto, e é encarregado das Obras de S. Torcato, em Guimarães, e das primeiras obras da Associação Comercial do Porto, de que virá a ser arquitecto até 1910. Na viragem do Século é arquitecto da Sociedade Martins Sarmento, em Guimarães, onde explorará as fontes neo- românicas, do pioneiro Bairro Social de "0 Comércio do Porto", no Monte Pedral (Porto), e é-lhe cometido o projecto da Igreja de Cedofeita, que há-de ser levado inconclusivamente até aos anos 30.

Académico de mérito da Academia Portuense de Belas Artes e da Academia Real de Belas Artes de Lisboa, autor dos primeiros projectos de moradias particulares e palacetes (a Casa Ramos Pinto, na Granja), é arquitecto da Câmara Municipal do Porto, de 1904 a 1906, ingressando neste último ano na Academia Portuense de Belas Artes, como Professor de Arquitectura.

Retrato do Arquitecto Marques da Silva

JOSÉ MARQUES DA SILVA (PORTO, 1869-1947)

Havia já refeito os projectos da Gare de S. Bento de Avé-Maria (até ao projecto final de 1904) cuja construção prosseguirá até 1916.

Faz deslocações a Paris, já preocupado com a problemática dos teatros, vindo a projectar, entre outros, o Teatro de S. João (1909), tal como acontecerá com o Monumento aos Heróis das Guerras Peninsulares, elevado na Rotunda da Boavista.

Em 1913 é nomeado Director da Escola de Belas Artes do Porto, podendo dizer-se que, desde então até 1925, um novo período balizará a obra do Arquitecto, marcado por viagens à Bélgica, Alemanha e Paris, pela realização dos Armazéns Nascimento, pelos concursos e começos de realização dos Liceus Alexandre Herculano e Rodrigues de Freitas, pela intervenção no centro cívico da cidade do Porto (futura Avenida dos Aliados), impondo aqui uma imagem forte, veiculadora de um gosto burguês, óbvio nos edifícios de arranque da Avenida dos Aliados e na Zona VI da mesma Avenida (com o edifício do Jornal de Notícias e outros).

O mesmo desenho forte fica expresso no Palácio Conde de Vizela, preenchendo o quarteirão leste das Carmelitas, obra que iniciará as relações duradouras com a família Cabral (o primeiro e segundo Conde de Vizela).
Com Carlos Alberto Cabral, o segundo Conde, visita a Exposição de Artes Decorativas em Paris, em 1925, e sequentes viagens fará a Londres, Barcelona, Sevilha e Paris.

Após esta data e, ainda, por influências de atelier, aproxima-se das Artes Déco e de uma contida racionalização, fazendo e refazendo projectos no Porto, Guimarães (o mercado e a Igreja da Penha) e Santo Tirso. No Porto são sintomáticas as reformulações dos projectos da Casa de Serralves onde concorrem, necessariamente, o gosto culto e exigente do próprio Conde e o contributo dos decoradores, mormente os ligados à Casa Ruhlmann, de Paris. Participou nas principais reformas do Ensino Artístico, nas Comissões ligadas ao Património Nacional e ao da Cidade (Comissão de Estética e Comissão de Arqueologia) e instalou definitivamente a Escola de Belas Artes do Porto no Palacete de S. Lázaro.
Aposentado em 1939, por limite de idade, prosseguirá, ainda, várias obras no Porto e no Norte do Pais, vindo a falecer em 6 de Junho de 1947, tendo sido posteriormente homenageado pela Escola Superior de Belas Artes (com a colaboração da Academia Nacional de Belas Artes e do Sindicato Nacional dos Arquitectos) e pela Câmara Municipal do Porto que lhe atribuiu a Medalha de Ouro da Cidade e nome de rua na zona do Campo Alegre.

Deixou-nos, como legado, uma arquitectura que se estende aos seus discípulos, tais como Rogério de Azevedo, Manuel Marques, Viana de Lima, Ricca Gonçalves, Arménio Losa, Januário Godinho, David Moreira da Silva e sua filha Maria José.

[A.C.]

(in site UPorto)